Tai Chi Chuan, a arte marcial do poder interno

Yang_cheng_fu_single_whip_application_2_75Tenho o privilégio de compartilhar aqui, o breve estudo que realizei a respeito da história e origem do Tai Chi Chuan, uma arte marcial que constrói poder interno, ou seja, baseada na captação e acumulação de energia, usada em benefício do indivíduo que pratica a arte, seja para combate ou principalmente para a saúde mental, espiritual e física.

Quando comecei a estudar sobre a história da Filosofia Chinesa, com um professor Taiwanês, na Tailândia, pude ser introduzida ao Tai Chi Chuan. Este professor é praticante de Tai Chi a mais de 15 anos, e como complemento em nossos estudos, para compreendermos a essência da Filosofia Chinesa, ele convidou todos os alunos para participarmos de aulas práticas de Tai Chi, e foi aí que despertou o meu interesse. Atualmente faço minhas práticas matinais com ele (Chen style), e também com um grupo de 3ª idade de Chineses e Tailandeses num parque perto de casa (Yang style).

Os chineses desenvolveram uma variedade de métodos e técnicas através de sua Filosofia ancestral, permitindo que as pessoas atingissem qualidade de vida, longevidade e saúde. Tai Chi Chuan (ou Taijiquan) é uma delas.

Tai Chi Chuan é uma arte marcial interior, praticada para autodefesa e saúde. É considerada uma “arte marcial interior” porque foca na prática em coletar e acumular energia, para atacar o inimigo com poder e a força interna, possibilitando assim, esforços mínimos em caso de combate.

Tai chiDe acordo com Brecher (1998, p.11,12), existem dois tipos de arte marcial chinesa, a externa (forte, rígida) e a interna (leve, sútil). A arte marcial exterior, como o Karatê e o Kung Fu, consiste em desenvolver o Qi (energia) na região externa do corpo, desenvolvendo força e poder nos músculos, permitindo ao praticante lutar e combater com potência e rigidez. Já a arte marcial interior, como o Tai Chi, consiste em desenvolver e acumular o Qi nos órgãos internos do corpo, permitindo fluidez energética ao longo dos meridianos, alcançando internamente os músculos. A coleta energética torna o praticante sutilmente forte e potente, e em caso de combate, conseguindo vencer a disputa com o mínimo esforço, utilizando apenas a força energética interior que foi acumulada através de sua prática. A prática consiste em concentração no relaxamento, em forma meditativa, de modo a não haver nenhuma restrição no fluxo de Qi. Como resultado, a saúde é preservada e aprimorada. Ao longo da prática da arte marcial interna avançada, o praticante pode tornar seu treino mais intenso e forte, a fim de desenvolver poder e força exterior.

Tai Chi, como arte marcial, emprestou o nome do termo filosófico T’ai Chi (Taiji – 太極), que significa Supreme Ultimate (Grandioso Supremo), compostos por duas palavras chinesas: tai (太) – grandioso, supremo, imponente, extremo e ji (極) – polo, cume, cobertura, o mais alto ponto, extremo, alcançar o fim, atingir o topo.

Na Filosofia Chinesa, de acordo com Cheng Man Ch’ing (1985, p.21) T’ai Chi, o Grandioso Supremo é a mãe do Yin-Yang:

TaiChi-QiGong-KungfuNão há nada que não contenha. Deste primordial ponto de vista do T’ai Chi, veio o nome da arte marcial interior, Tai Chi. O Livro das Mutações (I Ching Book), diz que o T’ai Chi dá à luz ao Liang I (dois poderes primordiais), Yin e Yang. O extremo yin produz yang, e o extremo yang produz yin. Na alternância do robusto e sútil, do movimento e quietude, cada força é aplicada ao seu limite”.

A prática de Tai Chi Chuan segue o princípio (filosófico) do T’ai Chi, que é sutil e oculto, criando uma prática misteriosa: “Tai Chi Chuan não destrói apenas dureza e rigidez, a prática pode também controlar movimentos. Ajuda o fraco a se tornar forte, o doente a se curar e o tímido a se tornar corajoso. A prática fortalece o corpo, a nação e o país” (Cheng Man Ch’ing, 1985, p.23).

Breve história do Tai Chi Chuan  

Tai Chi Chuan, uma arte marcial ancestral chinesa, com alguns séculos ou milênios de existência. Não é sabido a verdadeira origem ou a época quando especificamente o Tai Chi passou a existir, o que se sabe são diferentes histórias e lendas contadas sobre a linda arte marcial chinesa.

Atualmente existem variados estilos de Tai Chi, como Chen (陳家), Yang (楊氏), Wu (吳氏), Wu (Hao – 武氏), Sun (孙氏) … Porém, todos eles traçam sua origem histórica, ao vilarejo chamado Chen.

Existem duas teorias a respeito da origem do Tai Chi:

Chang San-Feng

Chang San-Feng

“A primeira lenda é que o eremita Chang San-Feng, da Montanha Wu-tang, inventou o Tai Chi no fim da dinastia Yuan e início da dinastia Ming (1367 – 1403 d.C.). Alguns, porém, duvidam da existência de Chang San-Feng. Outras teorias afirmam que o Tai Chi foi primeiramente criado por Chen Wang-ting no final da dinastia Ming e início da Ch’ing (1628 – 1736 d.C.), ele foi o fundador da família Chen to Tai Chi”. (Lo/Inn/Amacker/Foe, 1979 p.13)

Chen Wang-ting

Chen Wang-ting

A história sobre a família Chen é a mais coerente a respeito da origem do Tai Chi, “desenvolvido por Chen Wang-ting (1678-1736) no vilarejo da família Chen. É dito que Chen Wang-ting aprendeu Tai Chi com Jiang Fa, que aprendeu de Chang San-Feng. Alternadamente, alguns estudiosos afirmam que Chen Wang-ting é o verdadeiro e único criador do Tai Chi Chuan, ao invés de Chang San-Feng.” (Chia & Jan, 2010 p.6). É muito complicado e muitas vezes contraditório traçar a história do Tai Chi e descobrir exatamente o antepassado da arte ancestral, porém, o que se sabe é que a modalidade Chen foi a primeira, e é considerada a origem de todas as outras modalidades – Yang, Wu, Wu (Hao) e Sun.

O estilo Yang, foi criado por Yang Lu-Shan (1799-1872), que foi estudante de Chen Chang-Xing (1771-1853). “Depois de estudar com Chen, ele mudou-se para Pequim e envolveu-se com diversos tipos de artes marciais, recebendo o nome de “Yang No Equal”, que quer dizer, “Yang, sem igual”. O estilo Wu também foi influenciado pela modalidade Chen, Wu Yu-hsiang (1812-1880), foi estudante de Chen Chin-ping da mesma origem Chen. (Lo/Inn/Amacker/Foe, 1979 p.14)

A modalidade mais conhecida no mundo é a Yang, porque “Yang Lu-Shan, disseminou o conhecimento para fora da comunidade e permitiu que estudantes estrangeiros aprendessem a prática. Os filhos de Yang, Pan-hou (1837-1892) e Chien-hou (1839-1917) também foram excelentes mestres, e ajudaram a disseminar o conhecimento a respeito do Tai Chi pela China, seguidos pelos estudantes, que espalharam a prática e a filosofia severamente, até alcançar todos os cantos do mundo.

com Prof. Li Deyin

com Prof. Li Deyin

De acordo com o Professor Li Deyin, um dos mestres mais respeitados na China, num congresso sobre Tai Chi Chuan em novembro de 2015 em Bangkok, diferentes dialetos da antiga China, impediram a comunicação entre os chineses durante um longo período, até o Mandarim passar a ser a língua oficial do país. O mesmo aconteceu com o Tai Chi, os diferentes estilos fizeram com que a interação entre os praticantes fosse difícil e complicada, até aproximadamente 50 anos atrás, quando a padronização do modelo de 24 movimentos da modalidade Yang passou a existir. Atualmente, pessoas de toda a parte do mundo interagem e executam juntos a mesma prática, permitindo assim, uma comunicação corporal e energética entre os praticantes, independente de língua, raça, cor ou cultura.

Professor Li Deyin, também enfatizou que os diferentes estilos contemporâneos do Tai Chi fazem com que a prática seja adaptada a todos os tipos de pessoas, permitindo que todos possam ter condição de praticar e se conectar com a arte marcial ancestral, respeitando a limitação do indivíduo, pois nem todos os movimentos são indicados a determinado tipo de pessoa. A essência do Tai Chi é buscar longevidade e saúde, e não especificamente o combate. De acordo com o professor, para combate o Kung Fu é a arte marcial indicada. Ele citou o exemplo do Bruce Lee, que morreu muito jovem. Tai Chi é uma arte marcial introspectiva, que busca pela saúde mental, espiritual e física do indivíduo, permitindo bem-estar e longevidade.

Assista a apresentação de Tai Chi Chuan (Yang style) realizada no evento de Tai Chi que aconteceu em novembro de 2015 em Bangkok.

Referências:

Brecher, Paul. (1998). The Way of the Spiritual Warrior. Soft Style Martial Arts for Body, Mind, & Spirit. New York: Godsfield Press.

Cheng Man Ch’ing. (1985). Cheng Tzu’s Thirteen Treatises of T’ai Chi Ch’uan. Benjamin Pang Jen Lo and Martin Inn. (Trans.). California: Blue Snakes Books.

Chia, Mantak & Jan, Andrew. (2010) Tai Chi Fa Jin – Advanced Techniques for Discharging Chi Energy. Toronto: Destiny Books.

Fung, Yu-Lan. (1966). A Short History of Chinese Philosophy. (ed. Derk Boddee). New York: Macmillan.

Li Deyin. International Conference about Tai Chi Chuan. Wennie Wang (Trans.). Bangkok 27/11/2015

Lo, Benjamin Pang Jen / Inn, Martin / Foe, Susan / Amacker, Robert. (1979). The Essence of T’ai Chi Ch’uan. The Literary Tradition. Benjamin Pang Jen Lo (Trans.). California: Blue Snakes Books

Anúncios

2 pensamentos sobre “Tai Chi Chuan, a arte marcial do poder interno

  1. Oi Bárbara, gostaria de acrescentar alguns detalhes. Chen Wang Ting não aprendeu de Jian Fa que por sua vez não aprendeu com Chan San Feng. O estilo que vc pratica, se é o mesmo descendente de Chen Wang Ting, não tem g no final. A grafia é Chen.
    Chen Wang Ting foi o criador do Taijiquan da família Chen, origem de todos os estilos atuais de Taijiquan. No resto, seu artigo está correto. Abs.Estevam Ribeiro

    Curtir

    • Olá Estevam! Gratidão pelo seu comentário e feedback. Realmente foi um erro de digitação “Cheng”, o nome da modalidade é CHEN e já corrigi.
      Quanto a citação sobre Chen Wang-Ting ter aprendido de Jian Fa, que por sua vez aprendeu de Chan San Feng, esta não é uma citação minha, e sim de um livro que li a respeito do Tai Chi Chuan.
      Referência: Chia, Mantak & Jan, Andrew. (2010) Tai Chi Fa Jin – Advanced Techniques for Discharging Chi Energy. Toronto: Destiny Books.
      A referência encontra-se na página 6, onde diz: “Chen Wang-Ting is said to have learned Tai Chi from Jiang Fa, who had learned it from Chang San-Feng. Alternatively, some scholars believe that Chen Wang-Ting was the true creator of Tai Chi Chuan, rather than Chang San-Feng.”
      Como deve saber, existem diversas histórias, contos e lendas a respeito da origem do Tai Chi, e pelas palavras do Mestre Li-Deyin, com quem tive o privilégio de aprender sobre a história, “devemos ter bom senso e aprender a aceitar as diferentes versões sobre a origem do Tai Chi, o que mais importa para nós hoje, é termos a oportunidade de desfrutar dessa arte que é tão mágica e importante para nossa saúde física, mental e espiritual!”
      Mesmo assim, agradeço sua atenção por ler o artigo e compartilhar sua opinião!
      Um grande abraço!
      Paz e Luz
      Profa. Barbara Santos

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s